sábado, 29 de setembro de 2012

Saudade de Xinguara




Xingu e Araguaia são rios da Bacia Amazônica. Claro, sei que todos o sabem ou, pelo menos, deveriam saber: nós, os habitantes da região, o sabemos pela vivência; quem mora em outros lugares o sabe pela Geografia. Mas, que tem isso a ver com Xinguara? A origem do nome “Xinguara”, que vem da junção do substantivo “Xingu” com a partícula “ara”, retirada do substantivo “Araguaia”. Deixo para outra crônica a etimologia de Xingu e de Araguaia.

O povoado surgiu com o nome de Entroncamento do Xingu e a sugestão do nome Xinguara foi de Walter Leitão Sampaio, servidor do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que também sugeriu “Comaxin”, formado de partículas dos substantivos “Conceição”, “Marabá” e “Xingu”. Walter, hoje falecido, era filho de Marabá e (anos depois, já aposentado do IBGE), foi meu colega na Prefeitura Municipal de Xinguara, de 1983 a 1985.

Pois bem. Xinguara é um dos meus amores, pois aí morei de 1980 a 1996 e, conquanto esteja em Marabá há dezesseis anos, jamais a esqueci, até porque, por uma série de razões, para mim é impossível esquecê-la: foi a cidade da minha mocidade, meu primeiro emprego, meu primeiro filho, meu casamento e tantas outras coisas mais. Faço minhas, sem mais pôr nem tirar, as palavras de Khalil Gibran, em “O Profeta”: “Como partirei em paz e sem sofrimento? Não, não deixarei esta cidade sem uma ferida na alma.”

Depois de tantos anos morando em Marabá, sempre que viajo para outra cidade, sou traído pelo costume ou, em outras palavras, tenho denunciado pela boca o coração: nas conversas em outros lugares, quando quero dizer “lá em Marabá”, involuntariamente, digo “lá em Xinguara”. É incrível, sim, porém compreensível, pois a Bíblia diz que “a boca fala do que está cheio o coração”. Está escrito lá em Mateus, capítulo 12, versículo 34.

Às vezes, por isso tudo, bate no peito uma saudade inefável, inexprimível. E aí, quando isso acontece, o único jeito é lançar mão do telefone e ligar para parentes e amigos de Xinguara. Ligo, por exemplo, com certa frequência, para a tia Neguinha (Maria do Carmo), mulher do meu tio materno Hiram Monteiro da Silva, o qual, tristemente prostrado de mal de Alzheimer, não fala com ninguém. Ligo também para vários amigos.

Foi assim ontem, 28 de setembro de 2012, quando, às 18 horas, falei com a tia Neguinha durante 8 minutos e 28 segundos (até que foi curta a ligação). Também foi assim hoje, lindo sábado ainda com os efeitos gostosos da chuvinha de ontem, quando, depois das 12 horas, falei com o Joãozinho (João Batista Pereira da Silva), meu amigo e ex-colega de trabalho na Prefeitura Municipal de Xinguara, e depois, com o Paulão (Paulo Gomes de Almeida), amigo e irmão de Maçonaria. Mais tarde, falei com o Hete Maom Tavares, morador de Imperatriz, mas nascido e criado em Xinguara.

Um registro muito interessante! Para a pessoa, as coisas são da forma que ela as quer ver, não importam as outras evidências. É sempre assim. O começo pode ser o fim, assim como o fim poder ser o começo: tudo depende da localização do observador. Pelo telefone, perguntei a meus dois amigos interlocutores a respeito da política eleitoral em Xinguara. Um me disse que o Prefeito será o Dr. Moacir, candidato da situação, o outro me disse que será o Osvaldinho, candidato da oposição. Ambos me deram, com racionalidade e certa ênfase, as razões de sua convicção. Mas, como sabemos, só há uma vaga para Prefeito. Logo, no mínimo, um deles está enganado e o tempo nos dirá quem é.

2 comentários:

gessy borges disse...

faço minhas as suas palavras saudades muitas de xinguara morei de 82 a 86 temos amigos em comum paulinho ricardo e outros em 99 o ricardo veio me visitar em cuiaba depois perdemos contato um abraço gessy

jurvi disse...

Olá. Legal suas explicações sobre Xinguara. Estive de passada por lá em julho de 2013. Estou organizando viagem para agosto de 2014. Já que você a conhece tão bem, por acaso sabe me dizer as condições da estrada que vai de Marabá para Xinguara. Pergunto, porque em 2013 fomos de avião até Palmas; mas como é muito demorado o trajeto de palmas até Xinguara( 12 h), em 2014 pretendemos ir por Marabá, mas ouvi dizer que a estrada não é boa. O que você me diz??